Insônia na Pandemia: como combater?

Por OGS SAUDE | 26 de agosto de 2021

Insônia na Pandemia: como combater

 

Uma boa parcela da população mundial tem algum tipo de queixa relacionada ao padrão de sono. Pesquisas nos mostram que mais da metade das pessoas pode ter, em algum momento da vida, um quadro de insônia - e que isso se agrava com o aumento de fatores se stress, como a pandemia de covid-19.

 

Nos últimos 12 meses, o stress provocado pela pandemia tem tido reflexos no sofrimento psíquico, e levado muita gente a um prejuízo do funcionamento pessoal e profissional. A palavra "insônia" foi mais pesquisada no Google em 2020 do que nos anos anteriores. Os especialistas criaram até um termo para isso em inglês: “coronasomnia”, que pode ser traduzido como "corona-insônia" ou "covid-insônia”.

 

No Reino Unido, um estudo de agosto de 2020, realizado pela renomada Universidade de Southampton, mostrou que a proporção de pessoas com insônia aumentou de 1 a cada 6 pessoas para 1 a cada 4, com problemas acentuados em grupos específicos, como mães e trabalhadores essenciais (como médicos e enfermeiros).

 

Um novo olhar sobre a saúde mental nos mostra cada vez mais a necessidade de os profissionais de saúde reconhecerem e conduzirem os casos de sofrimento psíquico. Recentemente, a própria Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou um artigo relatando como a pandemia tem afetado os serviços de saúde mental no mundo e a necessidade de termos mais profissionais capacitados para a lidar com a crescente demanda psiquiátrica.

 

 

Boas Notícias!

 

Mas nem tudo é sono nessa história. A rápida expansão da telemedicina durante a quarentena pode ter um impacto positivo, já que muitas pessoas não têm tempo e condições financeiras para visitar as clínicas médicas pessoalmente.

 

O tratamento mais comum para problemas de sono é a chamada terapia cognitivo-comportamental para insônia, que melhora a higiene do sono. Uma série de atitudes podem (e devem) ser tomadas antes de dormir: não fumar nem beber antes de ir pra cama, apagar todas as luzes, limitar o consumo de notícias para evitar a ansiedade e não usar o telefone celular como despertador. Também é aconselhado manter o celular em outro cômodo quando for se preparar para dormir.